seguranca do trabalho campinas

A Importância da Ginástica Laboral

24 maio A Importância da Ginástica Laboral

Todo mundo já sentiu aquela dorzinha incômoda nas costas ou nos braços após uma longa jornada de trabalho, principalmente se a atividade exercida não requer muita movimentação por parte do empregado. Porém, também existe o outro lado da moeda, aquele grupo de trabalhadores que sentem dores provenientes de exercícios físicos excessivos durante as horas de trabalho, certo?

Em diferentes setores e ambientes empresariais ouve-se cada vez mais sobre a importância da ginástica laboral e o quanto ela pode ser benéfica não só ao trabalhador, mas também à empresa, mas na realidade é muito comum que uma parcela mínima de funcionários se envolva nesta atividade, o que gera problemas para ambos.

A prática tem sido cada vez mais difundida também por conta do aumento da preocupação da sociedade com a qualidade de vida do indivíduo, e isto se estende ao ambiente de trabalho. Neste artigo vamos falar não só dos benefícios da ginástica laboral, mas entender de que forma as empresas podem introduzir esta prática de forma mais efetiva no ambiente de trabalho.

História da Ginástica Laboral

 

Os primeiros vestígios da conexão entre a saúde, produtividade e exercícios vieram da Polônia, em 1925, com o nome de Ginástica de Pausa. A ideia foi disseminada e aplicada em outros países da Europa até a década de 60, que foi quando oficialmente essa prática começou a ser chamada de Ginástica Laboral Compensatória, e passou a ser uma obrigatoriedade na jornada de trabalho de alguns setores.

No Brasil, foi apenas em 1973 que a ideia começou a ser disseminada, através de um artigo publicado na FEEVALE, faculdade de Educação Física que na época trabalhava em um projeto de Atividade Física Compensatória e Recreação com fins de análises biomecânicas, no qual estabelecia uma proposta de exercícios durante a jornada de trabalho.

Definição de Ginástica Laboral

 

Quase sempre vem na cabeça das pessoas exercícios de alongamento quando o termo vem à tona, pois inicialmente a ginástica laboral é uma pratica baseada neste tipo de exercícios. Porém, com os novos tipos de ocupações e novas necessidades por parte do trabalhador, existe uma vasta gama de exercícios que podem ser aplicados em um pequeno período de tempo, evitando assim a preguiça, monotonia e falta de estímulo muito comum em empresas devido a grande repetição dos mesmos exercícios.

Propriamente dita, a definição de ginástica laboral é: um conjunto de práticas que variam dependendo da atividade profissional exercida, mas que tem como meta compensar as estruturas físicas e até psíquicas mais utilizadas durante a jornada de trabalho. Além disso, manter ativas aquelas estruturas que não são tão utilizadas, evitando assim a fadiga.

Mitos e Verdades

 

É muito importante ressaltar que para que a prática da ginástica laboral seja eficaz quando se trata de saúde ocupacional, ela deve ser aplicada em conjunto com outras ações tomadas por parte da empresa, principalmente quando se trata da conscientização do trabalhador na importância da prática, e que ela sozinha, não é a solução para as doenças ocupacionais.

Primeiramente, a ginástica laboral não substitui jamais o exercício físico, não faz emagrecer e não previne doenças como LER (Lesões por Esforço Repetitivo) ou DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). O que ela faz é promover o auxílio na prevenção destas doenças, e deve ser sempre estar aliada à preocupação com a ergonomia, postura do trabalhador durante a jornada de trabalho e também a consciência do que os maus hábitos e posturas podem acarretar na saúde do trabalhador e consequentemente, na da empresa.

A verdade é que a maior preocupação dos empregadores deve estar na educação de seus funcionários quando se trata de doenças ocupacionais, uma vez que se eles não entenderem a importância e quais as consequências da não prática, eles não vão ter interesse em fazer os exercícios ou o perderão rapidamente. Deve-se sempre demonstrar a preocupação do empregador, e em conjunto promover que o próprio empregado preocupe-se com sua sa

Benefícios

 

Quando se trata dos benefícios que a GL pode trazer, é importante dizer que não existe mágica nos resultados, e ressaltar que tudo depende do ambiente de trabalho, do tipo de trabalho e dos hábitos dos próprios trabalhadores, ou seja, para obter resultados efetivos, as pessoas precisam entender os benefícios, as doenças ocupacionais às quais sob o risco estão expostas e no quanto isto afeta a empresa e o ambiente de trabalho como um todo.

Com o objetivo de promover a adaptação e compensação fisiológicas, físicas e psíquicas por meio de exercícios dirigidos, alguns dos benefícios da ginástica laboral são:

  • Reeducação da postura;
  • Alívio no estresse;
  • Diminuição do sedentarismo;
  • Promoção de energia e motivação;
  • Consciência corporal;
  • Integração social;
  • Melhora no desempenho profissional;
  • Auxilia na prevenção de tensões musculares;
  • Diminui a fadiga visual, corporal e mental;
  • Auxilia na prevenção de doenças como LER e DORT;

 

Lembrando que o efeito dominó é eminente quando se leva a sério esta prática, já que uma vez que o funcionário ganha consciência corporal, passa a se preocupar mais ainda com sua saúde e entender o quanto isto impacta no ambiente de trabalho como um todo.

Para as empresas os benefícios são enormes com a incorporação desta cultura de exercícios, como redução na falta de funcionários, aumento na produtividade, integração entre os funcionários e até redução de custos.

Tipos de Ginástica Laboral

 

  • Preparatória: este tipo de ginástica laboral deve ser feita antes da jornada de trabalho se iniciar, com o objetivo de aquecer e preparar o corpo e músculos que serão mais usados no cumprimento das tarefas de cada funcionário, e é indicada principalmente para trabalhadores que possuem atividades que exigem muito esforço físico.
  • Compensatória: costuma ser aplicada durante a jornada de trabalho com aproximadamente 10 minutos de exercícios. Além de ser boa para o corpo, contribui muito para evitar a fadiga mental e visual, podendo até impulsionar a produtividade do funcionário já que interrompe a monotonia.
  • Relaxamento: neste caso os exercícios são feitos após a jornada de trabalho, visando relaxar e recuperar o corpo da fadiga física e mental, podendo ser extremamente benéfico pois melhora a disposição do funcionário após a jornada do trabalho, fazendo com que ele aproveite as horas de descanso mais efetivamente.

 

Vale lembrar que a ginástica laboral faz bem para a mente tanto quanto para o corpo, pois o corpo em movimento aumenta a oxigenação do cérebro, o que faz com que aumente a produtividade e que o corpo relaxe quando você parar, além de existir também a questão social por fazer com que o trabalhador se envolva numa atividade em grupo

A verdade é que ninguém tem pura consciência de que músculos usa ou deixa de usar durante a jornada de trabalho, e muitas vezes apenas percebemos quais partes do corpo estão sobrecarregadas quando já existe uma lesão, portanto, a SAÚDE OCUPACIONAL deve se tornar uma questão de CULTURA na empresa, e não apenas da prática de um ou outro exercício.

 

 

Sem comentários

Deixe seu comentário